You are viewing archived content
of the Inter-American Foundation website as it appeared on June 1, 2018.

Content in this archive site is NOT UPDATED.
Links and dynamic content may not function, and downloads may not be available.
External links to other Internet sites should not be construed as an endorsement of the views contained therein.
Go to the current iaf.gov website
for up-to-date information about community-led development in Latin America and the Caribbean.

Donatários nas notícias: Compromisso com a justiça

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option
Abel Barreira Hernández, Presidente do Tlachinollan Grupo de Apoyo a los Pueblos Indios de la Montaña (Tlachinollan), donatário da IAF, recebeu o Sexto Prêmio de Direitos Humanos da Anistia Internacional em uma cerimônia de gala realizada em 27 de maio para comemorar as bodas de ouro da organização líder mundial na defesa dos direitos humanos. Salil Shetty, Secretário-Geral da Anistia Internacional, elogiou o antropólogo mexicano pelo seu inquebrantável compromisso, muitas vezes enfrentando graves perigos, em prol dos direitos dos povos indígenas do estado de Guerrero.

A distinção da Anistia Internacional ocorreu apenas seis meses depois que o Centro Robert F. Kennedy para a Justiça e os Direitos Humanos premiara Barreira Hernández em Washington, D.C. com o seu reconhecimento também prestigioso. “O Senhor Abel Barreira Hernández inspira-nos com a sua implacável determinação de oferecer justiça às pessoas marginalizadas do México”, disse a ativista Kerry Kennedy, Presidente e fundadora do Centro e a sétima dos 11 filhos de Robert e Ethel Kennedy. “O seu exemplo anima todos nós a envidar um esforço ainda maior. A sua coragem incentiva os nossos melhores anjos”.

Em 6 de junho, exatamente 43 anos após o assassinato de Robert Kennedy, Kerry Kennedy reiterou o seu elogio a Barreira Hernández em The Huffington Post, comparando a sua valentia com a demonstrada pelo seu pai como Ministro da Justiça dos Estados Unidos durante o movimento dos direitos civis. “Apesar das diferenças de tempo, países e idiomas, estes dois homens estão unidos pelo profundo compromisso com o progresso da justiça e dos direitos humanos”, escreveu. O escritório de Tlachinollan em Ayutla foi fechado depois dos assassinatos dos ativistas indígenas Raúl Lucas e Manuel Ponce, em 2009, ocorridos depois de terem valentemente documentado o sequestro e a violação de duas mulheres indígenas por parte dos militares. “Agora, dois anos mais tarde, em 16 de junho,” escrevia Kennedy, “com coragem, Abel e os seus colegas comprometeram-se a reabrir o escritório de Tlachinollan em Ayutla, com uma cerimônia para destacar a ocasião”.

Tlachinollan utiliza os fundos da IAF para trabalhar com residentes tlapanecos e mixtecos de Zitlaltepec e Ojo del Água na busca de uma melhor renda para comunidades silvícolas e da preservação e uso responsável dos recursos naturais.