You are viewing archived content
of the Inter-American Foundation website as it appeared on June 1, 2018.

Content in this archive site is NOT UPDATED.
Links and dynamic content may not function, and downloads may not be available.
External links to other Internet sites should not be construed as an endorsement of the views contained therein.
Go to the current iaf.gov website
for up-to-date information about community-led development in Latin America and the Caribbean.

Cartas

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option
Parabéns pela edição de aniversário da revista! Já a li de ponta a ponta. Excelente.

Jonathan Fox
Professor
University of California, Santa Cruz


Acabo de ler o número mais interessante de Desenvolvimento de Base em comemoração do 40º aniversário da IAF. Para que conste, desejo destacar que, tanto quanto eu saiba, a primeira proposta para o que se transformou na IAF foi um artigo que eu escrevi na publicação trimestral Foreign Affairs (julho de 1969) intitulado “Assistência dos EUA à América Latina: financiar a mudança radical”. Eu a batizei de “Fundação Americana” mas sabiamente Dante Fascell mudou o nome. A criação da IAF por parte de Bill Dyal resultou em algo um tanto diferente do que o artigo sugeria, mas, não obstante, o propósito permaneceu e, como Vice-Presidente do Conselho Diretor, por muitos anos tive o privilégio de ser parte de seu esforço.

George Lodge
Professor Emérito
Harvard University


Na página 53 desta edição faz-se referência à contribuição de George Lodge para a criação da IAF. Para obter informações mais detalhadas sobre seu trabalho, favor consultar “Perguntas e respostas: George Lodge” em Desenvolvimento de Base 2002.—ED.


Quando soubemos que a Fundação Interamericana estava comemorando seu 40º aniversário, nosso primeiro pensamento foi para o impacto desta entidade em projetos inovadores em toda a América Latina. Nosso segundo pensamento foi que por mais da metade de sua existência a IAF tem apoiado projetos em nossa esfera de trabalho: museus comunitários.

Hoje em dia há iniciativas em 12 países: Brasil, Bolívia, Chile, Peru, Venezuela, Colômbia, Panamá, Costa Rica, Nicarágua, El Salvador, Guatemala e México. Os Representantes deles vêm trabalhando desde 2000 no desenvolvimento da Rede de Museus Comunitários da América, cuja sexta reunião foi realizada na Costa Rica, em maio. O programa de capacitação da rede incluiu quatro workshops internacionais para facilitadores em Oaxaca, México, e 16 workshops regionais e locais nas nações participantes. A Fundação Rockefeller, a Agência Suíça de Desenvolvimento e Cooperação e a UNESCO têm contribuído para este processo, mas a IAF financiou o primeiro encontro internacional. (Ver “Mobilização das redes de museus comunitários no México – e além” de Kevin Benito Healy, Desenvolvimento de Base 2003.) No entanto, o apoio da IAF aos museus comunitários remonta mais ainda no tempo. Em 1987 Susan Pezullo ajudou-nos a formular uma proposta para formar uma rede de três museus no estado de Oaxaca. Os projetos apoiados pela IAF que desenvolveram esta primeira proposta foram uma exposição que viajou pelo México e Estados Unidos, uma iniciativa comunitária de turismo e a criação de um centro de capacitação em Oaxaca. Isso assentou as bases para uma associação mexicana de museus comunitários em 1994, financiada pela IAF, a qual fortaleceu os projetos culturais de base em 10 Estados e envolveu artesãos em uma rede de lojas de museus.

O apoio da IAF também possibilitou a expansão do museu comunitário Rabinal Achi na Guatemala, uma rede de três museus comunitários da Comarca Kuna Yala do Panamá e o Ecomuseu de Cerâmica Chorotega em San Vicente de Nicoia, Costa Rica. Em colaboração com o Museu Nacional do Indígena Americano e a rede de museus comunitários de Oaxaca, a IAF financiou o Museu Comunitário de Pisac, em Cusco, Peru, habilitado em setembro de 2009, o qual mantém a tradição têxtil e o patrimônio arqueológico extraordinários desta comunidade andina.

O enfoque da IAF foi excelente em sua disposição de assumir riscos com projetos que talvez não estejam adequados aos critérios tradicionais e em recorrer às próprias comunidades em busca das características que definem um projeto bem-sucedido. Significativamente, o apoio da IAF por muitos anos tornou possível a continuidade e o crescimento que levam os esforços comunitários à concretização. Destaca-se também por seu profundo apreço da conexão entre cultura e desenvolvimento.


O último ponto que eu gostaria de tocar é mais pessoal. A IAF ofereceu a alguns de nós a oportunidade de conhecer colegas realmente extraordinários. O conhecimento, integridade, compromisso e sentido do humor de pessoas como David Bray, Charles Kleymeyer e Kevin Healy têm tornado ainda mais reconfortante nossa longa relação.

Teresa Morais e Cuauhtémoc Camarena
Consultores
União de Museus Comunitários de Oaxaca