You are viewing archived content
of the Inter-American Foundation website as it appeared on June 1, 2018.

Content in this archive site is NOT UPDATED.
Links and dynamic content may not function, and downloads may not be available.
External links to other Internet sites should not be construed as an endorsement of the views contained therein.
Go to the current iaf.gov website
for up-to-date information about community-led development in Latin America and the Caribbean.

Guatemala

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option
Carteira atual

Donatários ativos: 14

Recursos da IAF: US$2.597.323

Contrapartida: US$3.252.546

Investimento total: US$5.849.869

Áreas de ênfase: Agricultura, participação cívica, segurança comunitária, conservação e mitigação de desastres, educação, desenvolvimento de empresas, inclusão de indígenas.

Novas doações

Asociación de Agricultores Ecológicos de la Laguna de Chicabal (ASAECO), US$157.825 por três anos; contrapartida comprometida: US$174.555.

A ASAECO vai investir em capacitação e infraestrutura para melhorar os serviços que seus membros oferecem em seu complexo de ecoturismo. A meta é aumentar a renda atraindo mais visitantes para o lago Chicabal e seu vulcão. (GT-305)

Asociación para el Desarrollo Sostenible de la Juventud
(ADESJU), US$185.680 por três anos, contrapartida comprometida: US$93.705.

A ADESJU vai oferecer um programa de esportes e atividades culturais a 750 indígenas maias em 25 grupos comunitários de jovens. Além disso, espera demonstrar às autoridades municipais de Chiantla e Aguacatán o benefício de investir no programa que incentiva os jovens a ficarem na escola e combate a participação em gangues, o abuso de álcool e drogas e a migração para o México e os Estados Unidos. (GT-306)

Asociación No Lucrativa Muj’bab’l yol
(MBYL), US$179.475, por três anos, contrapartida comprometida: US$185.715.

A MBYL vai ajudar rádios comunitárias a desenvolver sua programação, melhorar a capacidade técnica que habilita as estações a promoverem a conscientização acerca dos direitos dos indígenas e informar ao público a necessidade de um marco regulatório para a
operação de estações comunitárias. O projeto vai envolver 60 técnicos de rádio e atingir 66.000 ouvintes. (GT-307)

Asociación de Comunidades Forestales de Petén (ACOFOP), US$249.500 por três anos, contrapartida comprometida: US$210.400.

A ACOFOP vai oferecer capacitação e assistência técnica para que organizações comunitárias florestais localizadas na Reserva da Biosfera Maia incorporem o uso responsável de recursos florestais à gestão de suas plantações de palmeira xate, cujas folhas são usadas na indústria floral. O projeto deve beneficiar 200 guatemaltecos diretamente e 1.550 indiretamente e contribuir para preservar a biodiversidade da Reserva Maia. (GT-308)

Proyecto de Salud Sangre de Cristo (PSSC): US$112.345 por três anos; contrapartida comprometida: US$105.850.

O PSSC vai trabalhar em quatro escolas para melhorar a alimentação e a saúde geral de crianças e seus pais em comunidades nos municípios de San Pedro Ayampuc e Chinautla, departamento da Guatemala. (GT-305)

Asociación de Desarrollo Integral Inhat
(ASOINHAT) US$49.320 por 15 meses; contrapartida comprometida: US$36.920.

A ASOINHAT vai trabalhar num plano para arrecadar fundos para sua escola comunitária bilíngue e bicultural que atende indígenas Chuj no município de San Mateo Ixtatán. (GT-310)

Doações suplementares

Federación Comercializadora de Café Especial de Guatemala (FECCEG), US$68.900 por 18 meses; contrapartida comprometida: US$299.696.

A FECCEG vai comprar um torrador de café para atender à demanda prevista de seu produto. (GT-298-A3)

Comité de Desarrollo Campesino
(CODECA), US$62.758; contrapartida comprometida: US$91.196.

Para vender loroco no volume exigido pelos mercados que oferecem os melhores preços, o CODECA vai expandir a produção a Monseñor Romero, uma comunidade localizada no departamento de Suchitepéquez. (GT-300-A1)

Transformando os jovens de Huehuetenango

O departamento de Huehuetenango no oeste da Guatemala repousa no cume enevoado da mais alta cadeia de montanhas da América Central, com suas aldeias e lavouras de milho em meio a uma floresta luxuriante. Devido a poucas oportunidades econômicas e à fronteira com Chiapas (México), Huehuetenango está se tornando um ponto de trânsito para drogas e migrantes a caminho do Norte. Os efeitos danosos da migração, do tráfico e da violência estão se fazendo sentir, especialmente entre os jovens. Atualmente, mais de metade dos guatemaltecos têm menos de 20 anos. Os que têm recursos limitados enfrentam acesso inadequado à educação, o que reduz suas perspectivas de emprego, problemas agravados em Huehuetenango pela falta de transporte nas estradas precárias, em geral intransitáveis, que serpenteiam através do terreno acidentado.

A Asociación para el Desarrollo Sostenible de la Juventud (ADESJU) é uma organização de base cujos 25 grupos de jovens representam comunidades espalhadas pelos municípios de Chiantla e Aguacatán. Foi fundada em 2000 por 40 organizadores comunitários, em sua maioria descendentes de indígenas, para melhorar as possibilidades dos jovens em Huehuetenango. A ADESJU transforma as prioridades identificadas por cada grupo numa gama impressionante de ofertas de educação perto de onde vivem os participantes para que o transporte não seja um obstáculo a essa oportunidade. Dos 750 indivíduos matriculados nos cursos de computação da ADESJU, eventos culturais e programas concentrados em esportes e artes, metade são meninas e moças. Elas se qualificam para o mesmo apoio que os meninos e rapazes recebem da ADESJU para complementar sua educação, uma vantagem nem sempre disponível numa cultura ainda dominada pelo machismo.

A ADESJU vai usar os recursos da IAF para incentivar esses jovens a ficar em suas comunidades em vez de migrar e levar uma vida produtiva em vez de recorrer ao crime e praticar violência. Já que sua missão se concentra na capacidade dos indivíduos de articular suas necessidades para que possam atendê-las, o projeto inclui a capacitação em liderança e negociação. Além disso, permite que os participantes se expressem através da dança, música e teatro para lidar com a perda quando os amigos e famíliares decidem migrar ou com a atração sinistra das gangues e drogas. Por meio de seus programas, a ADESJU espera que os participantes adquiram a autoconfiança para se reunir com as autoridades municipais e defender o financiamento de projetos que equipem os jovens para o futuro. “Jovens transformando jovens,” é como Juan Carlos Carrillo, um dos organizadores da ADESJU, chama esse ativismo destinado a assegurar que os jovens guatemaltecos concluam seus estudos e trabalhem para construir comunidades resilientes em Huehuetenango, apesar dos enormes desafios.

Amanda Hess, assistente de programas