You are viewing archived content
of the Inter-American Foundation website as it appeared on June 1, 2018.

Content in this archive site is NOT UPDATED.
Links and dynamic content may not function, and downloads may not be available.
External links to other Internet sites should not be construed as an endorsement of the views contained therein.
Go to the current iaf.gov website
for up-to-date information about community-led development in Latin America and the Caribbean.

América Latina (Regional)

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option
Carteira atual

Donatários ativos: 2

Recursos da IAF: US$768.687

Contrapartida: US$385.503

Investimento total: US$1.154.190

Áreas de ênfase: Capacitação para praticantes, pesquisa, inclusão de afrodescendentes e indígenas.

Nova doação

Universidad de la Cordillera/Observatorio del Racismo en Bolívia
(UNICOR), US$85.675 por um ano; contrapartida comprometida: US$40.995.

Observatórios são agências que monitoram questões sociais e fazem recomendações para reformas. A UNICOR vai apoiar a consolidação e expansão da Rede de Observatórios do Racismo nas Américas e desenvolver em seus membros as habilidades necessárias para documentar o racismo e trabalhar para eliminá-lo na Bolívia, Brasil, Colômbia, Guatemala e México. (LA-174)

Uma rede para combater o racismo

Nos últimos anos, à medida que a retórica do multiculturalismo se espalhou pelas Américas, constituições foram emendadas para celebrar a diversidade e o valor dos direitos de todos os cidadãos. Mas as reformas ainda não conseguiram desmantelar as enraizadas hierarquias que mantêm os indígenas e afrodescendentes da América Latina na parte de baixo da pirâmide social. Padrões de discriminação racial vigentes há séculos estão entranhados no tecido social, assim como a relutância em reconhecer as práticas cotidianas que os perpetuam. Para combater o racismo, é essencial um processo de pesquisa, documentação e análise que exponha seus males, inclusive o impacto sobre o desenvolvimento.

A boa notícia é o surgimento de “observatórios” que estão enfrentando esse desafio em vários países ao monitorar a expressão e incidência do racismo. Vários intercâmbios e conferências organizados em 2010 e 2011 resultaram na formação da Rede de Observatórios do Racismo nas Américas, que incorpora observatórios da Guatemala, Colômbia e Bolívia junto com instituições semelhantes no México e Brasil, o Teresa Lozano Long Institute of Latin American Studies (LLILAS) na Universidade do Texas e o Southern Poverty Law Center, com sede em Montgomery, Alabama, um importante centro do movimento de direitos civis nos Estados Unidos. Além de realizar pesquisas, os profissionais associados a esses observatórios planejam usar os resultados para capacitar acadêmicos e funcionários de organizações da sociedade civil para informar ao público a prevalência do racismo e a necessidade de adotar estratégias.

A Universidad de la Cordillera (UNICOR), localizada em La Paz, abriga o observatório boliviano. Uma doação da IAF está permitindo que a UNICOR atue como unidade administrativa e coordenadora da rede e apoie sua consolidação e expansão. A UNICOR planeja organizar visitas entre funcionários dos observatórios e realizar workshops que ajudem os membros a adquirir as habilidades e conhecimentos necessários para colaborar e comparar os resultados de suas pesquisas, envolver o público e recrutar outras organizações. O projeto vai expandir o diálogo sobre racismo e resultar em recomendações para reforma e ações de base nos países representados na rede.

Reconhece-se cada vez mais que o racismo está ligado à pobreza e desigualdade. Ele constitui um obstáculo para a implementação das reformas politicas e econômicas necessárias para melhorar o bem-estar dos setores mais marginalizados deste continente, especificamente indígenas e afrodescendentes. A Rede de Observatórios do Racismo nas Américas, liderada pela UNICOR, representa uma frente transnacional contra o racismo e um esforço conjunto para incentivar o respeito e aceitação de diferenças culturais, para que as comunidades tenham melhores condições de prosperar num ambiente de coesão social.

Alejandra Argueta, assistente de programas