You are viewing archived content
of the Inter-American Foundation website as it appeared on June 1, 2018.

Content in this archive site is NOT UPDATED.
Links and dynamic content may not function, and downloads may not be available.
External links to other Internet sites should not be construed as an endorsement of the views contained therein.
Go to the current iaf.gov website
for up-to-date information about community-led development in Latin America and the Caribbean.

Noticias

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option

NOTICIAS

A ADA comemora 25 anos

Post Date:07/29/2015
Permitam que o muro vergonhoso da exclusão possa finalmente vir a desmoronar.
– Presidente George H.W. Bush, ao assinar a ADA


Blind Pedestrian (Saraki - Paraguay)Nesta semana a Lei dos Americanos com Deficiência (ADA) comemora seu primeiro quarto de século. Este estatuto pioneiro promulgado em 1990 proíbe a discriminação contra deficientes no emprego, educação, lugares públicos, transportes e comunicações. A cerimônia de assinatura no gramado da Casa Branca foi especialmente memorável porque reuniu na comemoração ativistas com deficiência física, visual, auditiva, cognitiva e psiquiátrica, juntamente com muitos colaboradores. Nenhum presidente tinha assinado uma lei perante um público tão grande e, ainda mais significativo, nenhum país tinha jamais tentado uma abordagem legislativa tão abrangente aos direitos dos deficientes. Nos últimos 25 anos dezenas de países se têm inspirado na ADA ao elaborarem leis que articulam os direitos dos cidadãos deficientes. A Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aberta à assinatura em 2007 e que conta com a ratificação de mais de 150 países, também se baseou consideravelmente na ADA. Mas a legislação é apenas um passo para a inclusão total de deficientes. Nos Estados Unidos muitos dos ativistas de base que organizaram o lobby para a promulgação da ADA estão empenhados em conseguir sua implementação.

Desde os seus primeiros dias de existência a IAF interpretou sua missão como uma apelo para a inclusão dos deficientes no processo de desenvolvimento e em 1972, um ano após o lançamento de seu programa de doações, fez sua primeira doação a tal grupo para apoiar sua conferência sobre direitos de deficientes. Seguiram-se outras doações para financiar reabilitação e treinamento no local de trabalho; incentivar empresas; e instruir o público a respeito das capacidades e desafios das pessoas com deficiências físicas, sensoriais e mentais. Mais recentemente, a Fundación Saraki expandiu uma rede de organizações de direitos de deficientes que tem assessorado o Governo paraguaio em reformas jurídicas radicais e está exigindo implementação. A Red de Sobrevivientes tem trabalhado com municípios em El Salvador para abrir escritórios que possam documentar as necessidades dos residentes com deficiências e tomar as medidas apropriadas para tratar das mesmas.

Embora, após 25 anos, a ADA não faça explicitamente um apelo à assistência estrangeira inclusa, estabeleceu um padrão de participação dos deficientes em todas as esferas. Em 2010 o Presidente Barack Obama nomeou Judith Heumman para atuar como assessora especial do Departamento de Estado dos EUA em matéria de direitos dos deficientes em âmbito internacional, cargo criado pra melhorar a forma como a diplomacia dos Estados Unidos aborda as deficiências. No ano passado ela conversou comigo sobre os desafios de tornar inclusiva a assistência estrangeira. Neste aniversário da ADA os especialistas em desenvolvimento devem considerar como melhorar seus programas para incluir os deficientes.
Return to full list >>