You are viewing archived content
of the Inter-American Foundation website as it appeared on June 1, 2018.

Content in this archive site is NOT UPDATED.
Links and dynamic content may not function, and downloads may not be available.
External links to other Internet sites should not be construed as an endorsement of the views contained therein.
Go to the current iaf.gov website
for up-to-date information about community-led development in Latin America and the Caribbean.

Blog

Print
Press Enter to show all options, press Tab go to next option

Disseminando a paixão pelo orgânico

Faviana Scorza Agüero *

By Inter-American Foundation on Comment

Brasil. A simples menção ao nome deste imenso país sul-americano já conjura visões exóticas. Diga-o em voz alta para si mesmo, e logo os sambistas do carnaval carioca invadirão seus pensamentos.

Um dos últimos assuntos a surgir seria provavelmente o da agroecologia — ou a prática da introdução de processos ecológicos na agricultura para opções alimentares mais saudáveis e sustentáveis.  Em abril, fui convidada a ir ao Rio Grande do Sul, no Brasil, pela Fundação Interamericana (IAF) a fim de participar de sua 10ª reunião estendida da Rede de Agroecologia EcoVida (Ecovida). E agora vou enxergar o Brasil através de novas lentes — sistemas alimentares orgânicos!

Pude compartilhar experiências e melhores práticas com mais de 70 pessoas de todas as Américas, além de 1.700 pessoas da EcoVida, formada por famílias de produtores, consumidores e ONGs.

Por quase 20 anos, a Ecovida vem trabalhando com agricultores que se organizam para comercializar seus produtos livres de agrotóxicos, e também para atestar a qualidade e a origem destes produtos. Eles estão seguindo o que é conhecido como Sistemas Participativos de Garantia (SPG), que são práticas que fortalecem através do conhecimento, do desenvolvimento comunitário e da troca de conhecimentos para proporcionar a garantia da qualidade em uma gama de produtos (com certificação orgânica). Através da existência da rede, a Ecovida fez conquistas importantes, como o Programa Nacional de Agricultura na Escola do Brasil, que determina que 30 por cento de seu orçamento deve ser destinado à agricultura familiar e local. ConferenceParticipants

IAF donatários Selma Yuki (Brazil), Faviana Scorza (Costa Rica) e William Avalos (Peru) em workshops da Ecovida

O evento abrangeu diversos tópicos, incluindo a agricultura orgânica, os SPGs, projetos para promover a juventude na agricultura, o empoderamento feminino, a comercialização, programas educacionais para consumidores e produtores e o trabalho junto ao governo, além de muito mais. Nosso encontro com parceiros da rede da IAF nos permitiu compartilhar conhecimento e experiências baseados em nosso trabalho.  Desde tendências de mercado para vender nossos produtos, o trabalho com jovens e mulheres de comunidades rurais, até o fortalecimento da promoção e do desenvolvimento de novos líderes comunitários. 

Aqui compreendemos que há muitas pessoas como nós, trabalhando para recuperar valores e também o nosso planeta!

Cerca de 1.700 pessoas participaram da reunião da EcoVida, sendo que a rede forneceu alimento para todos nós — mais de oito toneladas de alimentos orgânicos, preparados por mais de 30 chefs e cozinheiros do movimento Slow Food ao longo de quatro dias. A comida foi um banquete de sabores para o paladar. É mais fácil entender o português com a barriga cheia!

De todos os workshops, seminários e sessões em plenário, a atividade que mais me marcou foi uma sessão sobre os benefícios da agroecologia comparados à agricultura comercial de grande escala como negócio (agronegócio).  O apresentador explicou que a produção de alimentos em grande escala, ou industrial, não é uma cultura, mas um modelo hegemônico que consome e devora tudo por onde passa.  Quando vamos a um supermercado, a maioria das marcas de alimentos pertence a cinco ou dez grandes empresas, com uma imagem barata e repetida.  O consumidor não tem prazer. Por outro lado, a agroecologia é a soberania alimentar. É a vida, e também um sistema saudável para termos alimentos criativos e limpos. Ao mesmo tempo, a agroecologia empodera as pessoas com o conhecimento, a diversidade nas lavouras (a alimentação própria antes da comercialização) e o aprendizado de comer o que a natureza disponibiliza (dependendo das estações do ano, economizando a energia gasta no transporte). O apresentador nos disse que o cultivo dos alimentos deve ser como um relacionamento, com respeito, amor, cuidado e proteção. Não deve ser o oposto disso: agressivo, abusivo, intenso e despido de respeito. Products

Produtos orgânicos para a exposição e a venda em Ecovida.

Aprendi que os agricultores são mais fortes quando estão em redes para se defender contra os interesses comerciais, em sistemas que, além de ajudar a manter ecossistemas, também são mais sustentáveis e proporcionam colheitas mais saudáveis. Ou então, nas palavras do palestrante, a forma como a agroecologia mantém a harmonia se assemelha a um relacionamento. “Quando amamos, nos importamos”.

Com tudo o que aprendi, fiquei pensando em como isso tudo pode ser aplicado a meus próprios esforços na Costa Rica. Perguntei a mim mesma, para que estamos trabalhando? O que estamos buscando? À medida que ganhamos um maior escopo demográfico através de nossos recursos (de tempo, humanos, econômicos), podemos gerar, aos poucos, impactos positivos sobre comunidades e sobre a sociedade como um todo. Isso envolve o fortalecimento da coragem que sustenta a agroecologia, a recuperação da produção em pequena escala, a agricultura familiar diversificada, o conhecimento ancestral, o prazer do alimento fresco, os produtos recém-colhidos e transformados, o consumo dos alimentos feitos com amor, com os melhores ingredientes disponíveis, e que também são deliciosos. 

Precisamos gerar um impacto para que as autoridades (governos) deem ouvidos à cidadania desses pequenos produtores, para que a agricultura para a vida seja estimulada e subsidiada. Os pequenos agricultores devem ser encorajados a adotar medidas agrícolas que não envenenem o solo, as famílias e, naturalmente, os consumidores. Este é um direito que pertence a todos nós. 
Melons1

Melões orgânicos oferecido em um mercado de agricultores na Costa Rica. 

É nosso dever valorizar os esforços e fortalecer os laços com as pessoas que colhem nosso alimento. Nós confiamos em agricultores e trabalhadores rurais três vezes por dia — no café-da-manhã, no almoço e no jantar. E essa ocupação está desaparecendo. Cada vez menos jovens desejam se tornar agricultores como seus pais, seus avós e outras gerações.

Na minha casa, mais de 90 por cento dos alimentos, produtos de limpeza e de higiene pessoal têm os nomes e sobrenomes de seus fabricantes; eu os conheço porque são parte de minha comunidade, conheço suas histórias e de onde vieram. São parte de nossas vidas. Com meu poder econômico, escolho quem apoiar através dos produtos que compro. E continuarei a apoiar produtos e empresas que ajudam a gerar empregos, a promover o comércio justo, a cuidar do planeta e a proporcionar o acesso a uma vida digna.

Estou muito satisfeita coma IAF porque ela nos apoia no compartilhamento e na aprendizagem com pessoas exemplares, que estão gerando impactos positivos em suas comunidades, gerando oportunidades e construindo “comunidades”.


* Faviana Scorza Agüero é uma profissional costa-riquenha que trabalha com a Asociación Amantes de lo Orgánico (AAMOR, Associação dos Amantes do Orgânico). Como consultora da IAF, Faviana compartilha seu conhecimento e suas experiências com os parceiros financiados da IAF.

Return to full list >>
comments powered by Disqus